EDITORIAL

Porto d’Ave

Manuel Freitas Costa
Parabéns Porto d’Ave. Parabéns às gentes de Taíde que contribuíram para o engrandecimento do clube. São 39 anos de amor a um emblema. E como explica Tó de Porto d’Ave, num texto publicado, há tempos, sobre o clube, foi graças ao entusiasmo de um grupo de homens da terra, que se reuniu, para assim nascer o Grupo Desportivo de Porto d’Ave.
“Foram ambiciosos na aquisição dos terrenos que, com dificuldade, lá se foram pagando e tão importantes para que se construíssem aquelas magníficas instalações. Os primeiros anos foram os mais difíceis, mas a união era tal que  todas as barreiras foram ultrapassa-das”, explica Tó de Porto d’Ave no seu texto, ressalvando que “os jogadores do Porto D’Ave passaram a ser os ídolos das crianças da escola. No recreio, quando jogávamos à bola, marcávamos golos à Guilherme e à Gito, dávamos cabeçadas à Quim Moreira, fazíamos fintas à Pião, carrinhos à Firo, passes à  Santos, caneladas à Araújo, defesas à Chico Fininho, etc.”.
É assim o Porto d’Ave, um clube com uma grande mística e com uma massa associativa vibrante. Mais uma vez, parabéns a todos os que integram a estrutura portodavense, contribuindo, dia após dia, para o  engrandecimento do clube, le-vando bem longe o nome de Taíde e do concelho da Póvoa de Lanhoso.
À margem do emblema mais representativo de Taíde, Porto d'Ave é igualmente conhecido pelo vastíssimo património que integra a Real Confraria da Nossa Senhora do Porto d'Ave. Falar de Porto d'Ave é também falar da tradicional Romaria dos Bifes e dos Melões, um dos momentos de enorme atracção turística ao concelho da Póvoa de Lanhoso, que tradicionalmente se realiza no mês de Setembro.
Estas peças todas juntas fazem de Taíde uma referência no concelho e igualmente na região minhota.

Assembleia Municipal

Isenção de IMT 
para captar investimentos

Na última Assembleia Municipal foram aprovadas duas isen-ções de IMT - Imposto municipal sobre as transmissões onerosas de imóveis, a dois projectos no concelho, como forma de captar investimento, garantindo, dessa forma, a criação de postos de trabalho. Uma dos espaços adquiridos diz respeito às antigas instalações do ISAVE, em Fontarcada, num investimento rea-lizado pela Veryflex, empresa que integra o grupo Osit, do qual faz parte a Prozis. Neste primeiro projecto, a isenção ronda os 509 mil euros. A segunda isenção, realizada pelo promotor Prowderlabs SA (Prozis), que tem o seu centro logístico em Fontarcada, representa cerca de 9 mil e 600 euros.
De acordo com dados transmitidos, o investimento da Veryflex pretende criar mais de 100 postos de trabalho.
Ambos os pontos foram aprovados por unanimidade, sendo que o líder da bancada socialista, Filipe Silva deixou o alerta para que os postos de trabalho a criar sejam ocupados por povoenses.
Avelino Silva, presidente da Câmara Municipal, relembrou a excelente relação existente entre a autarquia e os  responsáveis da Prozis, e         realçou que, em caso de igualdade, e isto no tocante ao preenchimento de postos de trabalho, os povoenses têm prevalência sobre os demais. O autarca afirmou que pretende que a Póvoa de La-nhoso seja um exemplo nesta matéria, relembrando que 90% dos pavilhões no parque industrial de Fontarcada estão completamente cheios, deixando o aviso de que “não vão deixar fugir qualquer investimento da Póvoa de La-nhoso” e que, respondendo a questões levantadas pela bancada socialista, “qualquer investimento irá ter o mesmo tratamento”.
Rui Rebelo, líder da bancada do Movimento Alternativa Independente mostrou o seu desagrado na última Assembleia Municipal, relativamente ao “escassíssimo tempo” concedido à sua bancada, apesar do “MAI ter praticamente um terço dos deputados eleitos em relação a cada uma das restantes forças políticas”.
Na sua intervenção, Rui Rebelo realçou que “o MAI é muito mais do que as suas circunstâncias políticas, mais do que os seus representantes na Assembleia, pois é um movimento cívico de resposta e esperança para as preocupações e anseios de muitos munícipes”.
Os elementos do MAI manifestaram “disponibilidade para convergir naquilo que é essencial para o bem da Póvoa de Lanhoso”.

Em 2017

Concelho ‘fugiu’ à tragédia que abateu Portugal

Até este momento, re-gistaram-se, no concelho da Póvoa de Lanhoso, um total de 181 incêndios, que consumiram 186 hectares de floresta, 291 hectares de mato e 6 hectares de área agrícola. A tudo isto, juntam-se 71 apoios a outros corpos de bombeiros do distrito e a presença nos grandes incêndios que assolaram o país, como os casos de Góis, Boticas, Alijó, Ribeira de Pena, Sertã, Alijó, Portalegre e Torre de Moncorvo, integrando os grupos de reforço distrital. Na Sertã e Alijó, marcou também presença o comandante da corporação de bombeiros povoenses, António Veloso, que comandou os grupos de reforço.
Neste ano, e como explica o comandante dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de La-nhoso, António Veloso, o pior cenário no concelho ocorreu a 15 de Outubro, num dia com condições meteorológicas adversas, com muito vento, com rajadas que chegaram a atingir os 80 Km/hora, que provocaram a rápida propagação de um incêndio que deflagrava em Louredo e estendeu-se até Ventuzela, na freguesia de S. Martinho do Campo, e Galegos, numa frente de fogo de perto de 3 quilómetros e com as chamas próximas de habitações. O dia foi de intenso combate no distrito e os bombeiros povo-enses dependeram apenas de si para parar a progressão das chamas. O incêndio próximo do Monte do Pilar foi aquele que mais meios mobilizou este ano, fruto da disponibilidade de outras corporações para ajudar no combate às chamas.
“Naturalmente que, a nível nacional foi uma tragédia, pelas mortes que houve e pelos bens afectados. A nível da Póvoa de Lanhoso, é um ano que eu posso considerar normal. Relativamente ao ano de 2016, foi muito menos traba-lhoso. O ano passado tivemos 300 ignições. Em termos da área ardida, o ano passado passou dos 1000 hectares, entre mato e floresta. Este ano, em grande parte dos incêndios conseguimos colocar quatro ou cinco carros, com um ataque inicial musculado, quase sempre com a presença de meio aéreo e os incêndios não ganharam dimensões muito grandes. O do dia 15 foi o pior”, referiu António Veloso.
No dia-a-dia dos soldados da paz povoenses, o combate a incêndios representa cerca de 7% do trabalho realizado ao longo do ano.
Com esta última aquisição e com as aquisições no ano passado, felizmente, ao nível das viaturas de incêndios tivemos uma melhoria muito grande. Mais dois carros com cabine de cinco lugares e com capacidade de água de 4 mil litros cada um e isso veio-nos enriquecer muito a frota. Já tí-nhamos uma frota considerá-vel. Já há alguns anos que essa aposta vem sido feita pela direcção da corporação”, explica o comandante dos bombei-ros, adiantando que “a nível de pré-hospitalar, com a aqui-sição da nova ambulância, podemos falar, no futuro, em substituição e não em adquirir mais pois temos viaturas que estão a chegar perto de meio milhão de quilómetros”.
“Depois, temos a parte clínica e essa sim é a que vai fazendo maior renovação pois fazemos uma média de 300 a 400 quilómetros diários e isso faz com que haja um grande desgaste”, acrescenta António Veloso.
População tem que adoptar outros procedimentos
no uso do fogo
O comandante António Veloso deixa o alerta: a população tem que adoptar outros procedimentos no uso do fogo. “As pessoas não podem usar o fogo de qualquer ma-neira, para limpar, para a queima de sobrantes”, alerta António Veloso.
“As pessoas têm que ter noção que estamos a atravessar alterações climatéricas graves e devem ser mais cautelosas a fazer a queima de sobrantes. A mentalidade de usar o fogo de qualquer maneira tem que mudar”, aconselha.

Taíde

Material furtado recuperado

Ficaram com Termo de Identidade e Residência os dois homens detidos, no passado dia 6 de Novembro, pelo Núcleo de Investigação Criminal (NIC) da GNR da Póvoa de Lanhoso. No mesmo momento, a GNR apreendeu, na freguesia de Taíde, diverso material de jardinagem e de construção civil alegadamente furtado, bem como uma arma de caça.
No origem do processo este o furto, na noite de domingo, dia 5, de diverso material de uma residência, no lugar das Castanheira, em Travassos.
A GNR foi para o terreno e através da descrição das características dos suspeitos, os militares chegaram à identificação dos mesmos, o que permitiu realizar uma busca domiciliária.
Foram detidos dois ho-mens, um de 19 anos por suspeita da autoria do furto, residente em Travassos, e um de 49 anos por ser o alegado receptor do material furtado, residente naquela freguesia de Taíde.
Parte do material recuperado foi furtado do interior da residência de Travassos, com a GNR a prosseguir as diligências para apurar a proveniência do restante material apreendido.
Entre as apreensões contam-se quatro motosserras; três máquinas roçadoras; um tractor de jardinagem; três corta-relvas; duas máquinas de cortar madeira; dois martelos pneumáticos; um compressor; um corta-sebes e uma máquina de lavar à pressão.


S. João de Rei

Executivo não sabe 
dos documentos 
do anterior mandato

Onde estão os documentos do anterior mandato? É esta a pergunta que paira na cabeça dos novos elementos da Junta de Freguesia de S. João de Rei. A equipa de Henrique Tinoco encontrou dois computadores, que foram formatados, carimbos e selo branco, e um ou outro documento mas o grosso dos documentos que deviam estar na Junta de Freguesia estão, ao que parece, em parte incerta, aguar-dando-se que os mesmos sejam entregues na Junta de Freguesia. São vários os documentos em falta, como o caso dos alvarás relacionados com a venda de sepultura, entre outros documentos relativos à contabilidade da Junta de Freguesia.
Henrique Tinoco, o novo presidente da Junta de Freguesia de S. João de Rei, explicou ao ‘Maria da Fonte’ que receberam, do anterior presidente da Junta, uma carta a pedir informações relativas ao horário de atendimento para poder entregar os documentos do anterior mandato. A resposta a Paulo Ma-cedo seguiu por carta registada mas a mesma não chegou a ser levantada, seguindo uma segunda carta onde davam conta dos bens que encontraram na Junta de Freguesia, dando um prazo, já expirado, para que os documentos fossem devolvidos.  O prazo passou e os documentos continuam ser estar no seu devido lugar, a Junta de Freguesia, tendo sido apresentada queixa no Ministério Público. Neste novo mandato, o atendimento na Junta de Freguesia decorre  às quintas-feiras, das 19 às    20 horas, e ao domingo, das 10.30 às 12 horas.

Monsul

Jorge Amado 
anima ‘Feira de Natal’

A freguesia de Monsul prepara-se para receber mais uma edição da ‘Feira de Natal do Baixo Concelho, que decorre nos dias 16 e 17 de Dezembro.
O cantor Jorge Amado é a estrela do cartaz deste ano, numa actuação que acontece na noite de sábado, dia 16. Esta quarta edição apresenta-se, mais uma vez, como uma montra do melhor que o baixo concelho tem para oferecer a quem os visita. Aos produtos regionais, gastronomia e artesanato, junta-se a animação infantil, musical e cultural. Nesse fim-de-semana, todos os caminhos apontam para Monsul, com o certame a ganhar cada vez mais visibilidade e visitantes.

Póvoa de Lanhoso renova distinção

Autarquia 
+ Familiarmente Responsável 

A Póvoa de Lanhoso voltou a ser distinguida como ‘Autarquia + Familiarmente Responsável’, distinção essa atribuída pelo Observatório das Autarquias + Familiarmente.
“É com enorme satisfação que recebemos esta notícia.  O nosso município continua a ser reconhecido, há oito anos, como um exemplo em matéria de responsabilidade social e queremos reforçar, no futuro, a nossa intervenção nesta área. Vamos introduzir novas respostas, que irão me- lhorar a qualidade de vida dos Povoenses, em particular, dos mais desfavorecidos”. As palavras são do Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Avelino Silva, após o anúncio de que a Pó-voa de Lanhoso vai receber novamente a distinção de Autarquia + Familiarmente Responsável.
Desde 2010 a autarquia vem recebendo este galardão. No dia 29 de Novembro, vai receber, em cerimónia a realizar em Coimbra, a respectiva bandeira com palma, que é destinada às Autarquias que recebem o prémio por três ou mais anos consecutivos.
Refira-se que o município da Póvoa de Lanhoso tem apostado numa forte política transversal de apoio às famílias povoenses.

Linhas orientadoras para 2018

Misericórdia quer afirmar-se 
junto da comunidade 

A Misericórdia da Pó-voa de Lanhoso pretende, no próximo ano, afirmar a posição da instituição junto da comunidade. Este foi um dos aspectos saídos da última Assembleia Geral de Irmãos, cujos pontos da ordem de trabalhos visaram a análise e aprovação do Plano de Actividades para o exercício de 2018.
“Terminadas as comemorações do centenário do Hospital António Lopes e todas as actividades que foram dinamizadas nesse sentido, é tempo de prosseguir e afirmar a posição da Misericórdia junto da comunidade, como Instituição imprescindível e incontornável. Assim, para o ano de 2018 foram traçadas algumas linhas orientadoras que permitirão alcançar os objectivos definidos pela instituição”, refere a instituição.
Depois de concluídas as obras de remodelação e ampliação, o Hospital António Lopes é agora um projecto em crescimento e consolidação, com a Misericórdia a pretender afirmar a sua actividade no contexto local e regional.
Para 2018, a Misericórdia pretende potenciar a sua actividade aumentando a sua produção, disponibilizando novas respostas, criando novas parcerias, alargando os subsistemas de saúde dispo-níveis, procurando sempre   responder às necessidades e expectativas dos utentes. “De- correrá, assim, um investimento na área da comunicação definindo estratégias de marketing e divulgação da sua actividade. É propósito da Instituição que o serviço prestado no Hospital António Lopes seja, cada vez mais, requisitado e reconhecido como um serviço de qualidade”, explica o provedor Humberto Carneiro.
Uma das actividades a manter no próximo ano é a Procissão em Honra de Nossa senhora da da Misericórdia. A manutenção da cantina social é um dos propósitos da instituição, embora a sua continuidade esteja dependente da manutenção do protocolo com a Segurança Social e a implementação do POAPMC (Programa Operacional de Apoio aos Mais Carenciados), que visa a distribuição de alimentos para confecção diária de refeições.
“Ao nível das intervenções é objectivo da instituição melhorar as condições de trabalho e prestação de serviço na Farmácia sendo objectivo remodelar a área de atendimento de forma a tornar o espaço mais eficiente, funcional e atractivo. Espera-se também melhorar as condições  de climatização e impermeabilização do edifício NSM (Creche/Pré-escolar) e CATL”, referem ainda os responsáveis da Misericórdia.

Taíde

Moradores pedem lombas 
para a Rua de Gerzat

AAlguns moradores da Rua de Gerzat, em Taíde, mostram-se preocupados com a velocidade com que alguns automobilistas passam naquela artéria e pedem a colocação de lombas, a fim de limitar a velocidade. A zona, uma recta, é propícia ao aumento de velocidade, o que deixa os moradores preocupados, pedindo, para além das lombas, a criação de passeios e a colocação de uma passadeira para a travessia de peões. A tudo isto, deixam também um apelo aos novos elementos da Junta de Freguesia, para que a limpeza das bermas seja feita de forma mais assídua. As preocupações chegam a esta redacção também por parte dos emigrantes. Um desses casos é o de Olívia Barros, emigrada em França, e cujo pai tem ali residência. Os seus alertas estendem-se ainda à recolha do lixo doméstico e dos materiais enviados para reciclagem, pois, na época de Verão, em que a população mais do que duplica, é necessário reforçar o esvaziamento dos contentores, evitando que o lixo fique espalhado pelo chão. Esta emigrante explica que, muitas vezes, não podem levar o lixo doméstico ou o material para reciclar, como o caso das garrafas, pois os contentores estão cheios.
Aqui ficam os alertas de moradores e emigrantes a quem de direito.

EDITORIAL

Ferramentas e Gestos

Rui Miguel Graça
A partir de agora, os povoenses têm ao dispor uma ferramenta que lhes permite, de forma rápida, reportar ocorrências relativas ao espaço público. Trata-se da aplicação My City, da Comunidade Intermunicipal do Ave. À distância de um clique, como se pode ler na aplicação, todas as ocorrências são registadas e encaminhadas para a autoridade do território, permitindo ao utilizador acompanhar e ser notificado de todos os estados da ocorrência.
A novidade foi dada pelo presidente da Câmara Municipal, Avelino Silva, que, através das redes sociais, explicou que “já temos disponível uma aplicação gratuita que vos permite comunicar com o município, reportando qualquer ocorrência ou problema que entendam que compete aos serviços municipais resolver. A app MyCity permite que esta comunicação seja realizada de forma simples e rápida e permite ainda o envio de foto da situação em causa. Poderão instalar a aplicação gratuitamente para os seus dispositivos móveis”.
No campo político, e depois da cerimónia de tomada de posse, a primeira reunião de Câmara, realizada a 25 de Outubro, marcou o arranque do mandato, com a distribuição dos pelouros. Está dado o pontapé de saída, fazendo votos para que o trabalho seja profícuo e que contribua para o engrandecimento da Póvoa de Lanhoso, levando, cada vez mais longe, o nome das Terras da Maria da Fonte.
E como referiu o presidente da Câmara Municipal, no discurso de tomada de posse, este novo ciclo autárquico ficará marcado por obras estruturantes para o concelho, como é o caso da requalificação da EB 2/3 Professor Gonçalo Sampaio; a construção de um novo equipamento desportivo no baixo concelho e de um pavilhão na vila; a requalificação da Praça Eng.º Armando Rodrigues e a ampliação do Parque do Pontido; o aumento da rede de água, entre outros. Os mais jovens continuam a dar o exemplo, num gesto que merece e deve ser replicado por outros e noutros pontos do concelho. No Monte de S. Mamede, em Frades, numa área ardida, foram plantadas cerca de 20 árvores autóctones – bétulas, castanheiros, carvalhos  alvarinhos e sobreiros, envolvendo jovens do projeto Erasmus+ e-HAND (Effetcs of Human Activities in Natural Disasters) em que participa a Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso.

Primeira reunião do novo executivo

Câmara Municipal: 
pelouros distribuídos

Já estão atribuídos os pelouros aos vereadores que integram o executivo Municipal. A distribuição dos pelouros decorreu na primeira reunião de Câmara, no dia 25 de Outubro, durante a qual, o presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso,  Avelino Silva, deixou uma mensagem de boas-vindas e votos para que o mandato corra positivamente, com cada um dos intervenientes a cumprir o seu papel.
Está, assim, dado o arranque do mandato. A hora é de trabalhar para o desenvolvimento do concelho. Ao presidente Avelino Silva juntam-se, no executivo, três vereadores: Manuel Baptista, Gabriela Fonseca e André Rodrigues. A Câmara Municipal integra ainda os vereadores do PS, sem qualquer pelouro distribuído: Frederico Castro, António Barros e Fátima Moreira.
De entre outras deliberações, ficou decidido que as reuniões da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso decorrem, de 15 em 15 dias, às quintas-feiras, a partir das 10 horas, sendo que a segunda reunião de cada mês será pública. Assim sendo, neste mês de Novembro, a reunião aberta ao público acontece no dia 23 de Novembro, às 10 horas, no edifício dos Paços do Concelho.
De referir que, uma das novidades deste mandato que agora inicia é a integração de Manuel Baptista na vereação, depois de ter presidido à Câmara Municipal durante 12 anos.
No tocante às áreas de trabalho, para além da representação do município, o presidente Avelino Silva acumula os pelouros da Cultura e Turismo, Freguesias e Obras Municipais, e Acção Social. A vice-presidência fica novamente a cargo de Gabriela Fonseca, a par dos pelouros da Educação, Gestão Administrativa e Recursos Humanos, Desenvolvimento Económico e  Gestão Financeira.
A Gestão Urbanística e Fiscalização Municipal, o Planeamento e Ordenamento do Território, a Gestão da Qualidade e as Contra-ordenações ficam entregues a Manuel Baptista.  Já as áreas da  Juventude, Desporto, Mobilidade e Sustentabilidade Ambiental e Protecção Civil são da responsabilidade do vereador André Rodrigues.

‘Competências não têm sexo’

Dia Municipal 
para a Igualdade

‘Competências não têm Sexo’ foi a temática proposta pela CIG – Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género para as comemorações deste ano do Dia Municipal para a Igualdade, celebrado a 24 e Outubro.
Na Póvoa de Lanhoso, a Câmara Municipal, em colaboração com o Agrupamento de Escolas Gonçalo Sampaio, promoveu sessões junto  de crianças e jovens dos 1.º, 2.º e 3.º ciclos, que tiveram por objectivo desmistificar algumas ideias normalmente pré-concebidas, nomeadamente a de que há profissões exclusivamente para homens e outras exclusivamente para mulheres. Participaram cerca de 160 crianças e jovens.
“Para conversar com o público – alvo destas sessões, o SIGO – Serviço para a Promoção da Igualdade de Género da Autarquia da Póvoa de Lanhoso convidou uma agente da GNR, um assistente social e um trabalhador da área da limpeza, que deram a conhecer a sua experiência, as suas motivações e as dificuldades das suas carreiras, de entre outras considerações, e que responderam  às perguntas da plateia”, refere a autarquia.

Na categoria de ‘Rotas Turísticas’

Póvoa de Lanhoso triunfa 
em festival internacional 

Pelo terceiro ano consecutivo, a h2com vê premiados dois filmes no Art & Tur - Festival Internacional de Filmes de Turismo.
O primeiro prémio na categoria ‘Rotas Turísticas’ da 10.ª edição do Festival Internacional de Cinema de Turismo - Art&Tur, com o flime ‘Viajar é sentir’ produzido para a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso.
O filme que conquistou o primeiro lugar na categoria ‘Rotas Turísticas’ foi produzido para promover a rede de Monumentos e Sítios da Póvoa de Lanhoso, dando a conhecer os monumentos e sítios com valor histórico, patrimonial e paisagístico daquele concelho. “Todo o filme é um poema” - explica Carlos Alberto Cardoso. “Partindo do pensamento de Fernando Pessoa, para quem ‘a melhor maneira de viajar é sentir’, promovemos uma rota cheia de memórias e sentimentos, onde o viajante é convidado a sentir, a viver várias experiências e a descobrir uma nova dimensão da Póvoa de Lanhoso: aquela que não o deixa partir”.
A edição deste ano do Art & tur contou com 314 submissões de filmes provenientes de 41 países e foram avaliados por um júri composto por 22 especialistas de 11 países com alta experiência em Cinema, Turismo e Marketing.

Monsul

Prémios de Mérito 
para ensino superior

Estão a decorrer, até 30 de Novembro, as candidaturas para os prémios de mérito do ensino superior da Junta de Freguesia de Monsul. Os interessados devem consultar o regulamento e fazer a sua inscrição na Junta de Freguesia.
De entre outras considerações, a Junta de Freguesia explica que “considerando que a formação do capital humano constitui o fomento de uma comunidade madura e capaz, a Junta de Freguesia de Monsul instituiu o Pré-mio de Mérito”. Estimular e prestar um pequeno reconhecimento aos jovens que, apesar das adversidades, não se resignam e apostam na sua formação, permitindo-lhes crescer não só técnica e profissionalmente mas também como indivíduos é um dos objectivos dos Prémios de Mérito.
Podem candidatar-se à atribuição dos prémios de Mérito os alunos que reúnam cumulativamente os seguintes requisitos: agregado familiar com residência na Freguesia de Monsul há mais de 2 anos; tenham obtido aproveitamento escolar no ano lectivo anterior ao da candidatura; não sejam titulares de qualquer curso superior.
Excepcionam-se do disposto na alínea b) do ponto anterior, os alunos matriculados pela primeira vez no ensino superior e os casos de interrupção dos estudos por motivos de força maior, devidamente justificados, os quais serão apreciados, caso a caso, pela Junta de Freguesia de Monsul.

Sensibilizar

Póvoa de Lanhoso 
continua a reflorestar

Bétulas, castanheiros, carva-lhos alvarinhos e sobreiros. Cerca de 20 árvores autóctones foram plantadas, na manhã de  31 de Outubro, no Monte de S. Mamede, por jovens do Erasmus+ e-HAND (Effetcs of Human Activities in Natural Disasters) em que participa a Es-cola Secundária da Póvoa de Lanhoso com escolas da Estónia, Roménia, França/  /Ilha de Reunião, Grécia, Turquia e Itália. Esta iniciativa contou com o apoio da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso.
Alguns dos carvalhos plantados derivam do Carvalho de Calvos, árvore classificada, exemplar centenário, um dos mais antigos da Europa, que existe no concelho povoense. O objectivo foi não só sensibilizar e informar a respeito do problema dos incêndios florestais, mas também dar oportunidade aos jovens de participarem activamente na reflorestação e na prevenção.
O grupo foi composto por mais de 30 alunos e alunas, assim como por professores. Mas houve ainda oportunidade para ouvir um especialista da Universidade do Minho, António Bento Gonçalves, que, no âmbito da temática das catástrofes naturais, mais especificamente dos incêndios florestais, enquadrou a iniciativa desta manhã (ao nível da influência da vegetação, do solo ou da própria utilização dos espaços), realizada sob orientação do Gabinete Técnico Florestal da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso.
Antes desta plantação, numa zona ardida, o grupo foi recebido nos Paços do Concelho pelo Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Avelino Silva, e pela Vereadora da Educação, Gabriela Fonseca.

Louredo

Angelina Amorim: 
cem anos de vida

Cem anos de vida, cem anos de trabalho e de muitas histórias.  Assim se resume a vida de Angelina Amorim, nascida a 21 de Setembro de 1917, na freguesia de Louredo. Filha de Joaquim Novais e Maria d’Amorim, foi servir ainda pequenina, até à idade da reforma, para a Quinta do Sobrado, em Louredo. Foi uma vida de trabalho no campo, uma vida dura mas uma vida alegre. As moças juntavam-se nas tarefas do canto e as “mo-das”, como conta a D. Angelina, traziam alegria à vida no campo.
O ‘Maria da Fonte’  esteve à conversa com esta povoense centenária que, na brincadeira, afirmou que não fez cem anos. “Fiz vinte”, disse, toda sorridente, a D. Angelina.
Namorou sete anos para o sr. Manuel Gonçalves, natural de Ventuzela, em S. Martinho do Campo, com quem casou aos 21 anos.
“Namorei sete anos e olhe que ele nunca me deu um  beijo. Era bem educado mas também não ia avante”, afirma a D. Angelina, contando que o namoro antigamente não se compara em nada com o tempo de agora.
Do enlace nasceram 12 filhos, quatro deles já falecidos. Actualmente, quatro deles estão emigrados.
“Sei muito bem sachar mas agora não posso pois vejo pouco. Sei sachar e sei lavrar. Tirava o arado da mão ao meu pai e lavrava eu. Eu andava a tanger as vacas e o meu pai a lavrar. Pegava no arado e lavrava eu. Era uma vida de muito trabalho mas muito bonita. Gostava da vida do campo. Andávamos a sachar no campo um bando de raparigas e cantávamos as modas. Já não me recorda de nenhuma moda. Era um tempo muito bonito”, recorda a D. Angelina.
No Natal, não faltava à mesa o tradicional bacalhau e as batatas, acompanhado pelos doces da época, a aletria, as rabanadas e os formigos.
É utentes do Centro de Dia da Comissão de Melhoramentos de Santo Emilião há cerca de 6 anos. Ali passa o dia, enquanto os seus familiares estão a trabalhar. No final da tarde, regressa a Louredo, para a casa do filho Manuel Carlos Gonçalves.

S. João de Rei

Eleitos não foram convocados 
para tomada de posse

Os eleitos de S. João de Rei não foram convocados pela presidente da assembleia cessante, Alda Ribeiro, para o acto de instalação dos novos órgãos autárquicos.
De acordo com o a lei 169/99, no seu artigo 7, compete ao presidente da assembleia de freguesia cessante proceder à convocação dos eleitos para o acto de instalação do órgão, sendo que a convocação é feita nos cinco dias subsequentes ao do apuramento definitivo dos resultados eleitorais.
Ora, em S. João de Rei tal não aconteceu e, na falta de convocação no prazo estabelecido, coube ao cidadão melhor posicionado na lista vencedora das eleições para assembleia de freguesia, neste caso Henrique Tinoco, efectuar a referida convocação, para a eleição dos vogais para a Junta de Freguesia e Mesa da Assembleia de Freguesia. A cerimónia de instalação decorreu no sábado, dia 28 de Outubro, pelas 21 horas.
Henrique Tinoco lidera, a partir de agora, os destinos de S. João de Rei, na presidência da Junta de Freguesia, tendo como secretária Daniela Ferreira e como Tesoureiro Carlos Dinis Rodrigues.
A presidência da Assembleia de Freguesia fica a cargo de Marta Rodrigues. Nota para a ausência dos eleitos do PSD, que não compareceram no acto de instalação da Junta e Assembleia de Freguesia.

Póvoa de Lanhoso

Casa do F.C. Porto 
recebeu Dragão de Ouro

A Casa do Futebol Clube do Porto da Póvoa de Lanhoso foi uma das entidades galardoadas com o ‘Dragão de Ouro’, numa cerimónia realizada no dia 25 de Outubro, no Dragão Caixa. O prémio ‘Casa do F.C. Porto Nacional’ veio para a Póvoa de Lanhoso. Fundada em 2003, a casa portista povoense ganhou nova dinâmica em 2014, sendo presidida por Stephane Saraiva. É a delegação 78 do Futebol Clube do Porto e conta actualmente com 347 sócios.
O presidente da casa portista povoense, Stephane Saraiva, no momento dos discursos, realçou o orgulho pela conquista do prémio, agradecendo a todos os sócios e simpatizantes povoenses, assim como à direcção que o acompanha. Stephane Saraiva deixou também uma palavra especial a Alípio Jorge, responsável pelas Casas do clube portista, assim como à sua família.
Jorge Nuno Pinto da Costa, presidente do F. C. do Porto, referindo-se às Casas do F. C. Porto da Póvoa de Lanhoso e Bruxelas, que venceram, respectivamente, na categoria nacional e internacional, revelou que são dois exemplos do que é o amor ao clube, dois exemplos do que é expandir o nome do F. C. Porto e do que é chamar a si os adeptos para as realizações que fazem durante o ano. Para além de Stephane Saraiva, a comitiva povoense contou com a presença de Domingos Silva, Jorge Sousa, Nuno Sousa, Daniel Martins, João Luís Saraiva e Litos Barros.

EDITORIAL

Um novo ciclo autárquico

Paulo Monteiro
Paulo Avelino Silva é, desde o passado dia 20 de Outubro o novo presidente da Câmara Muncipal da Póvoa de Lanhoso,  substituindo no cargo Manuel José Baptista que, por limitação de mandatos, não se pôde recandidatar. No entanto, faz parte da equipa agora comandada por Avelino Silva tendo tomado posse como vereador. A vice-presidente continua a ser Gabriela Fonseca. Tudo fruto da vitória do PSD no passado dia 1 de Outubro nas Eleições Autárquicas onde obteve 6.607 votos (43,52%) contra 6.455 (42,52%) do Partido Socialista, a segunda força mais votada. Uma diferença de 152 votos, numas eleições muito concorridas e em que o vencedor foi decidido nas últimas contagens de voto. Também a presença de uma lista independente (Movimento Alternativa Independente), liderada por Lúcio Pinto - antigo presidente da autarquia de 2003 a 2005 substituído João Tinoco de Faria que renunciou ao mandato - ‘baralhou’ as contas nestas eleições. Foi a terceira força política mais votada, com 10,58% (1606 votos). Quem seria o vencedor sem a sua presença? Frederico Castro, o líder socialita? Ou Avelino Silva teria uma maioria mais confortável?
Uma resposta que não será, certamente, conhecida.
Conhecido é o que o novo presidente quer. Para Avelino Silva  a hora é de unir vontades e de cada um ser um agente activo no desenvolvimento da sua terra. Quer que a Póvoa de Lanhoso lidere os concelhos de baixa densidade da região e quer um concelho que “oferece qualidade de vida aos seus cidadãos, onde as políticas municipais estão centradas nas pessoas”.
E mostrou que é o presidente de todos: cada um na sua função, seja poder ou de oposição, tem um papel determinante em escrever esta nova página da história da Póvoa de Lanhoso”.
A hora não é de dividir mas sim de unir. De unir esforços para bem do concelho, das suas freguesias, do seu povo. De unir esforços para um desenvolvimento real e sustentável. E colocar definitivamente o nome do concelho no mundo, exportando um outro nome que faz a história da terra, o de Maria da Fonte. E com ela levar muitos outros nomes, costumes, culturas e tradições. A Póvoa de Lanhoso só tem de se orgulhar da sua riquissima história, do seu passado e das suas gentes. Este é o seu real potencial. E, juntando-a às novas empresas, às novas tecnologias, teremos uma economia forte e sustentável criando mais emprego e tornado os povoenses mais felizes!

Primeiro discurso do novo presidente

Avelino Silva quer 
o concelho na liderança

No seu primeiro discurso como presidente da Câmara Municipal, Avelino Silva, afirmou que pretende colocar a Póvoa de Lanhoso na liderança dos concelhos de baixa densidade. Para isso, pretende implementar uma estratégia de crescimento inteligente, sustentável e inclusivo. Na cerimónia de tomada de posse dos novos órgãos autárquicos a 20 de Outubro, Avelino Silva afirmou que “a hora é de unir vontades e de cada um ser um agente activo no desenvolvimento da sua terra, para que a Póvoa de Lanhoso se transforme num território com liderança regional e com forte atractividade”.
Um território com liderança regional e com forte atractividade. É este o desígnio que Avelino Silva quer para as Terras da Maria da Fonte, transformando-o num concelho que “oferece qualidade de vida aos seus cidadãos, onde as políticas municipais estão centradas nas pessoas”.
Para o novo presidente da Câmara Municipal, “cada um na sua função, seja de poder ou de oposição, tem um papel determinante em escrever esta nova página da história da Póvoa de Lanhoso”.
Realçando o orgulho no passado e a confiança num futuro ainda mais próprio, o autarca deixou a promessa de ser o presidente de todos os povoenses, deixando o compromisso de “trabalhar com todos, respeitando o espaço da oposição e as opiniões nem sempre convergentes”.
A disponibilidade é para trabalhar com todos, sejam elas empresas, associações, paróquias, juntas e freguesia, sociedade civil ou entidades públicas para, e de acordo com o presidente povoense, “construirmos um melhor concelho para se viver, para se trabalhar e para se visitar”.
Avelino Silva promete não baixar os braços para que a Póvoa de Lanhoso seja, ainda mais, uma referência nas políticas sociais.
O combate ao desemprego está também na mira do autarca. Para isso, Avelino Silva pretende implementar novas políticas de apoio às empresas existentes e criar condições para acolher novos investimentos.
Aproveitar os fundo comunitários para a concretização dos projectos de regeneração urbana aprovados e o alargamento da rede de água e saneamento, o reforço de parceiras com associações do concelho foram outras das notas deixadas por Avelino Silva, às quais se junta um programa claro de eficiência energética e investimentos que reforcem a protecção ambiental.
Para a definição das novas políticas de desenvolvimento, o autarca fará uso, como afirmou, do conhecimento produzido pelas universidades, nomeadamente Universidade do Minho, Universidade Católica e IPCA.
Dedicação, empenho, disponibilidade e competência ao serviço da Câmara e dos povoenses são as premissas que norteiam o trabalho de Avelino Silva neste mandato.

JOÃO DUQUE É O NOVO PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL

“Que saibamos corresponder 
à grandeza do povo 
que habita estas terras”

João Manuel Correia Rodrigues Duque é o novo presidente da Assembleia Municipal da Póvoa de Lanhoso. No seu discurso, após a cerimónia de tomada de posse, assumiu que “o espaço e tempo da Assembleia é destinado ao debate sério, bem preparado, educado, e respeitador, digno de poder ser presenciado pelos nossos conterrâneos com orgulho e empenho”. Aos eleitos deixou um pedido: “Que saiba-mos desempenhar as nossas variadas funções com firmeza, com verticalidade, com imparcialidade, com coragem granítica, dando assim consistência e sustentabilidade firme ao futuro do nosso concelho, sem nos deixarmos seduzir pelas sereias do poder ou de modas levianas; mas que saibamos, por outro lado, desempenhar as nossas funções com afecto, nobreza e delicadeza, como exige o cuidado de cada pessoa concreta, infinitamente mais importante que os números e que as coisas, até do que as obras”.
Novato nas lides políticas, o novo presidente da Assembleia Municipal, João Duque, pediu a todos para que saibam corresponder à grandeza do povo que habita estas terras.
Num discurso centrado nos povoenses, o novo presidente da Assembleia Municipal afirmou que “devemos assumir, como especial ocupação, o cuidado dos mais vulneráveis do nosso concelho”, referindo-se aos idosos, aos cidadãos portadores de deficiência, às famílias mais pobres e às crianças em ambiente familiar mais difícil.
“A grandeza dos nossos mandatos medir-se-á pelo tamanho deste cuidado, na penumbra do quotidiano, sem luzes da ribalta a iluminá-lo”, frisou João Duque.
Dirigindo-se, de modo especial, a todos os eleitos da  Assembleia Municipal deixou os votos sinceros para que consigam desempenhar a sua função com elevação a que todos os eleitores têm direito, sem sucumbirem à tentação da exibição pessoal ou partidária, nem ceder aos interesses mesquinhos de pessoas ou de grupo.

AMÂNDIO DE OLIVEIRA, PRESIDENTE CESSANTE

“Ninguém pode, nem deve
abster-se de colaborar“

“Uma das maiores conquistas da democracia foi permitir aos portugueses a escolha livre dos seus autarcas. Só alguém menos atento pode ignorar o salto qualitativo que se registou a partir de 25 de Abril de 1974, na vida das populações residentes em todo o país. Naturalmente, tal foi também fruto das importantíssimas ajudas comunitárias que existiram no período pós-adesão à Comunidade Europeia”, recordou Amândio de Oliveira, presidente da Assembleia cessante.
“Como em todas as democracias, em Portugal, a confiança nos eleitos é ciclicamente objecto de confirmação e afirmação ou escolha nova. Assim se passou em todo o território português no passado dia 1 de Outubro”, referiu Amândio de Oliveira, felicitando todos, “vitoriosos ou não, que se disponibilizaram para servir a sua terra, revelando uma enorme maturidade democrática”, referiu.
“O poder de voto, secreto e universal, foi exercido e democraticamente foram feitas opções. Consequentemente, cumpre, a partir de agora, que uns sejam o poder e outros oposição mas ninguém pode abster-se de colaborar, construtivamente, para o interesse colectivo na exacta medida das opções que o povo soberano determinou”, acrescentou Amândio de Oliveira.
“Os autarcas de freguesia e concelho conhecem, como nenhum outro decisor, os problemas concretos dos residentes, as formas de os resolver e, com enorme pragmatismo, como se ultrapassam naturais dificuldades locais para se atingir determinado objectivo”, referiu.
“A Póvoa de Lanhoso vive, hoje, a festa da democracia, ao ver empossados todos os eleitos para a Assembleia Municipal e Câmara Municipal. Apesar do momento festivo, creio que não devemos ficar alheados do drama que assolou uma parte significativa do país no passado fim-de-semana”, disse, pedindo um minuto de silêncio, manifestando o mais sentido pesar e solidariedade para com todas as vítimas. Os Bombeiros foram também recordados na sua intervenção.
“Foi para mim, uma enorme honra e orgulho por servir, ou tentar servir, a nossa terra”, referiu Amândio de Oliveira, desejando as maiores felicidades aos novos eleitos.

Póvoa de Lanhoso

Executivo da Junta de Freguesia 
integra elementos do MAI

Está formada a nova equipa para liderar os destinos da freguesia da Póvoa de Lanhoso (Nossa Senhora do Amparo) nos próximos quatro anos. O executivo – constituído por cinco elementos – tem na presidência Paulo Silva, do PSD, partido que venceu as eleições, seguindo-se Cidália Lameira (PSD), como secretária; Berta Sá (MAI), como Tesoureira e Noela Martins (MAI) e Gabriel Meira (PSD) como vogais. Esta era a única situação no concelho onde o partido vencedor não tinha a maioria dos mandatos. Recorde-se que concorrem à freguesia sede do concelho quatro partidos: PSD (Paulo Silva), PS (Rogério Vieira), MAI (Berta Sá) e Laura Silva (CDU).
O acto eleitoral ditou os seguintes resultados: PSD – 1425 votos (6 mandatos); PS – 1178 votos (5 mandatos); Movimento Alternativa Independente (MAI) – 580 votos (2 mandatos) e CDU – 42 votos (0 mandatos). Apesar da vitória no acto eleitoral, a lista encabeçada por Paulo Silva não disponha de maio-ria para formar o executivo, daí a aliança ao Movimento Alternativa Eleitoral, evitando, dessa forma, a repetição das eleições.

Rogério Vieira tece duras críticas ao MAI
A rede social facebook foi o espaço escolhido pelo PS para tecer críticas à aliança do MAI ao PSD. Rogério Vieira, candidato pelo PS à referida Junta de Freguesia, de entre outras considerações, explicou o contacto realizado com elementos do MAI, referindo que “a nossa abordagem com o MAI através do seu cabeça de lista foi directa, muito frontal: respeitar a vontade dos Povoenses compondo a junta de freguesia com as 3 forças políticas com representatividade. Passaram-se duas semanas sem qualquer contacto”.
Face ao “entendimento” entre PSD e MAI, Rogério Vieira aponta que “o MAI presenteou-nos com esta ‘nova forma de fazer política’, cheia de truques e manhas, sem respeito pela verdadeira vontade dos povoenses.  O MAI demonstrou que não é mais que o apêndice do PSD, um embuste em quem os povoenses confiaram mas que à primeira oportunidade revelaram o verdadeiro sentido da sua existência”.
“Dos eleitos do Partido Socialista os povoenses poderão sempre contar com uma atitude activa que dignifique e encha de orgulho, não só aqueles que confiaram em nós, mas os povoenses em geral. Tudo faremos para que estas manhas e artimanhas sejam erradicadas para sempre da nossa vila”, referiu ainda.

Conferência ‘o papel dos media nas catástrofes naturais’

“A mediatização das desgraças 
é feita porque tem um público”

“O papel dos media nas catástrofes naturais” foi o tema de uma conferência realizada, no dia 12 de Outubro, na Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso. Rea-lizada no auditório daquele estabelecimento de ensino, a conferência contou com a presença de Paulo Monteiro, director do Grupo Arcada Nova, que integra os jornais Correio do Minho e Maria da Fonte, Rádio Antena Minho e Vértice, assim como de André Rodrigues, vereador da Protecção Civil da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, e de Paula Leite e    Anabela Dalot, da Escola Secundária. Um incêndio, que deflagrou na vila, impediu a presença de António Veloso, comandante dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso.
De entre outras considerações, Paulo Monteiro afirmou que “os leitores estão pouco interessados na prevenção, estando mais interessados nas notícias de tragédia, que vemos a abrir os noticiários”.
Num âmbito mais alargado, aquele responsável da Arcada Nova explicou à jovem plateia que ”em Portugal e na Europa existe um objectivo grande que é prevenir as catástrofes naturais o melhor possível, no caso também dos incêndios”.
“O tema de prevenção é importante para a Europa, tendo sido convidado os jornalistas para marcar presença nas cimeiras climáticas que se têm acontecido frequentemente, uma das quais em Paris”, referiu Paulo Monteiro.
“As televisões dão aquilo que o público pede. O público tem uma quota de grande responsabilidade naquilo que é apresentado, porque é a maioria. Esta mediatização das desgraças, nomeadamente dos incêndios florestais, é feita porque tem um público que a consome”, referiu Paulo Monteiro, explicando que as audiências das televisões são vistos ao segundo e dessas mesmas audiências depende a publicidade.
Relativamente ao ‘Correio do Minho’, publicação da qual é director, Paulo Monteiro explicou que está a ser trazido a público um trabalho pedagógico, dando a conhecer todas as corporações dos distritos de Braga e Viana do Castelo, nomeadamente a sua história, os meios ao serviço e o trabalho desenvolvido.

FOGO TAMBÉM DEVASTOU A FLORESTA DO CONCELHO

Só a chuva acalmou 
os incêndios

De Norte a Sul do país, a chuva foi desejada por todos, face à onda de incêndios que varreu o país. Na Póvoa de Lanhoso, foram várias as ignições combatidas pelos bombeiros voluntários, com as situações mais complicadas a registarem-se nas imediações do Monte do Pilar, na chamada Lage Grande, assim como num incêndio que devastou a florestas de freguesias como Santo Emilião, São Martinho do Campo, Louredo e Galegos, este último registado no domingo, dia 15 de Outubro.
Em S. João de Rei, no dia 12, um incêndio, cujo alerta foi dado pelas 17.09 horas, foi combatido por 18 homens, apoiados por 5 viaturas. Foi dado como controlado pelas 20.10 horas.

Monte do Pilar ameaçado pelas chamas
O fogo andou perto do Monte do Pilar, a 12 de Outubro, e só a pronta e eficaz intervenção dos bombeiros evitou males maiores.  Por volta das 14.30 horas, foi dado o alerta para o incêndio, que tomou grandes proporções, tendo os militares da GNR cortado o acesso ao Monte do Pilar.
Foi na chamada Lage Grande, em Valdemil, nas proximidades do Monte do Pilar, que tudo aconteceu. De acordo com fonte dos Bombeiros da Póvoa de Lanhoso, da corporação povoense estiveram no terreno um total de 30 operacionais, apoiados por 11 viaturas. O combate às chamas contou com a colaboração dos Bombeiros Voluntários de Guimarães, Famalicão, Vila Verde, Taipas, Braga, Famalicenses e Cabeceiras.
“…O pulmão da vila da Póvoa de Lanhoso, uma das zonas mais ricas e queridas dos povoenses, estava novamente ameaçada. A saída musculada para ataque inicial foi fundamental, num combate que a principal prioridade foi não permitir o alar-gamento das frentes para a encosta do monte do Pilar e das habitações de Valdemil, objectivo esse que foi conseguido com o esforço das equipas no ataque directo às chamas. Por várias vezes, houve a necessidade de recuar dada a temperatura atin-gida pela combustão. As projecções na encosta da Quintã, originaram novos focos de incêndio. De realçar a importante ajuda dos meios do Distrito que foram mobilizados para ajudar no combate”, escreveram os bombeiros po-voenses nas redes sociais.

Domingo, dia 15 de Outubro, um dia combate intenso
Pela manhã de domingo, dia 15 de Outubro, e como explicam os bombeiros, foi recebido um alerta de incêndio na freguesia de Santo Emilião. Eram 8.39 horas quando o alarme soou, tendo-se verificado que se tratava de uma área de influência dos bom-beiros voluntários das Caldas das Taipas. E, quando este incêndio estava em fase de rescaldo, foi detectada uma nova coluna de fumo, na direcção de Louredo.
“Atendendo ao tipo de combustível, à topografia e aos ventos fortes, o incêndio tomou grandes proporções, progredindo rapidamente com três frentes, uma delas dirigiu-se em direcção a várias habitações de Louredo, Pedralva (Braga), Galegos e Ventuzela (S. Martinho do Campo). Devido ao elevado número de incêndios no distrito só foi possível o apoio de um veículo ligeiro dos B.V. Celorico de Basto com três elementos.Os B.V. da Póvoa de Lanhoso estiveram no terreno com 39 elementos apoiados por 11 veículos”, escreveram os bombeiros.
Moradores do lugar de Ventuzela relataram ao ‘Maria da Fonte’ a noite de combate intenso às chamas, assim como o susto vivido, pelas proximidade do fogo. Só pelas 4.30 da madrugada é que tudo acalmou.

Com total confiança do comandante

Vítor Coelho nomeado 
adjunto dos Bombeiros

Bombeiro de 1.ª, Vítor Coelho foi recentemente nomeado adjunto de Comando dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso.
“É com alegria e orgulho que vimos partilhar convosco a nomeação do Bombeiro de 1ª, Vítor Coelho a Adjunto de Comando. Vítor Coelho ingressou nos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso em Junho de 2002, um jovem que se mostrou sempre muito disciplinado, exigente e competente em todas as tarefas exigidas”, referem os responsáveis dos Bombeiros, acrescentando que, “hoje, com o seu próprio mérito, foi merecedor da confiança do actual Comandante, António Veloso, tendo esta nomeação sido bem recebida por todo o Corpo dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso, em que aplaudiu e saudou com muito carinho”.
“Resta-nos desejar-lhe felicidades neste novo cargo, reforçando que contamos com ele, assim como ele também contará com todo o Corpo de Bombeiros nesta nova missão que irá exercer”, referiram ainda os responsáveis.

Ao Porto d’Ave

Manuel Baptista e Avelino Silva 
ofereceram carrinha

O Porto d’Ave tem ao serviço do clube uma nova carrinha, oferecida por dois povoenses: Manuel Baptista e Avelino Silva. Nas redes sociais, os responsáveis do Porto d’Ave agradeceram publicamente a  Manuel Baptista e ao recém-empossado presidente da Câmara Municipal, o nobre gesto, no decurso de um jantar realizado no sábado, dia 21 de Outubro, com estes dois povoenses, a título pessoal, a oferecer uma nova carrinha ao clube portodavense.
“Esta nova viatura vai servir todos os escalões do clube e tornar mais fácil, assim, a missão de levar o nome das nossas terras cada vez mais longe. Um abraço de gratidão aos dois, e o sincero desejo de que o novo caminho que se trilha agora com a liderança de Avelino Silva, traga um futuro ainda mais próspero ao nosso concelho. Bem hajam”, escreveram os responsáveis do Porto d’Ave.

EDITORIAL

Celebrar o concelho

Rui Miguel Graça
A Póvoa de Lanhoso fervilha por estes dias. Os nossos emigrantes trazem uma nova vida e um outro colorido ao concelho. Aliás, o orgulho povoense sente-se neste Agosto, com aqueles que regressam a mostrar toda a saudade e aqueles que os acolhem a fazerem-no de acordo com os princípios e valores que norteiam a identidade povoense. As ruas enchem-se de gente e o comércio local ganha novo fulgor. Aos nossos emigrantes juntam-se também os povoenses que gozam as suas merecidas férias. Um dos momentos altos do programa de Verão aconteceu na noite de sexta-feira, dia 11 de Agosto, com o 'Modalanhoso', que deu palco aos jovens povoenses e às colecções das lojas concelhias. Os nossos emigrantes tiveram também um programa festivo dedicado a eles, nomeadamente a actuação da cantora Kátia Aveiro e o ‘Póvoa em Festa’, este último da responsabilidade da Junta de Freguesia da Póvoa de Lanhoso. Ingredientes reunidos para uma receita que foi de sucesso.
O último dia do mês fecha com chave de ouro. A 31 de Agosto, a Póvoa de Lanhoso recebe o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que se desloca à Misericórdia povoense para participar nas comemorações do 100.º aniversário da instituição. Nesse momento, o chefe de Estado recebe o título de Irmão Honorário.
E por falar em festas, caminhamos a passos largos para a tradicional Romaria de Nossa Senhora do Porto d‘Ave, também ela conhecida como a romaria dos ‘bifes e dos melões’. Às celebrações religiosas, junta-se a tão aguardada ‘Noite Ge-rações’, a 1 de Setembro, com nomes bem sonantes do panorama musical português.
 Deixo aqui o convite aos leitores do ‘Maria da Fonte’para se deslocarem a Porto d’Ave e descobrirem os belíssimos espaços e edifícios da Confraria.
Neste espaço, não posso deixar de referir o gesto do padre Rafael Poças que se delocou a Pedrogão Grande para entregar os donativos recolhidos nas eucaristias das suas paróquias (Monsul, Geraz do Minho, S. João de Rei, Covelas e Ferreiros) e Juntas de Freguesia.
Acompanhado dos presidentes de Junta das referidas freguesias, entregou, em mão, os donativos às famílias escolhidas, não restando, assim, qualquer dúvida se os mesmos chegaram a quem deles precisa. Um gesto que merece ser realçado e uma palavra de apreço também a todos quantos contribuíram para ajudar as famílias a quem o fogo reduziu tudo a cinzas.

Mm dos espectáculos mais aguardados


Vila recebeu enchente 
para ver o Modalanhoso

Um dos espectáculos mais aguardados do ano – o Modalanhoso, aconteceu na noite de 11 de Agosto, uma sexta-feira, e mais uma vez contou com casa cheia. Um verdadeiro mar de gente deslocou-se ao Pontido, na vila, para apreciar as propostas do comércio       local.
Recorde-se que o evento ModaLanhoso “visa dar palco e visibilidade aos modelos da Póvoa de Lanhoso, ao comércio local e a jovens talentos e visa ainda dinamizar a economia local, a vários ní-veis”. A décima edição do evento não fugiu à regra e brindou os espectadores com um momento de grande qualidade e magia.
“Este foi mais uma edição de muita qualidade. Foi um bom espectáculo, que teve muita gente a assistir, casa cheia,  como vem acontecendo em cada edição. Acreditamos que estamos a dar um bom contributo ao desenvolvimento  do comércio da Póvoa de Lanhoso e estamos ainda a dar palco aos talentos povoenses”, refere o vereador da Cultura da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, André  Rodrigues. “Por detrás deste evento, que é um dos mais aguardados do ano, está muito trabalho de muitas partes. Agradeço, por isso, aos modelos que desfilaram, aos estabelecimentos que participaram e aos técnicos da Câmara Municipal. Todos contribuíram para que, mais uma vez, esta fosse uma noite memorável”, considerou ainda.
Participaram, na edição deste ano, 34 estabelecimentos do concelho (acessórios/ /moda Verão, ourivesaria, vestuário infantil e de adulto, centros de estética e cabeleireiros). Participaram ainda os criadores ICWear e Leonardo Kunha, para além do curso de Coordenação e Produção da Moda da EPAVE, EM, naquela que é ainda uma oportunidade para mostrarem o seu valor no sector.
Este ano, o espetáculo contou com animação musical de Sabrina Fonseca, Ludgero Rosas e do Dj Ruy Vercetti. A apresentação esteve, mais uma vez, a cargo de Salvador Nery (apresentador do programa Art Attack do Canal Disney).
Numa organização da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, a ModaLanhoso dá a conhecer a oferta de produtos e serviços do comércio local, nas áreas têxtil, do calçado e dos acessórios e outras, com especial relevo para a filigrana. É uma montra de excelência para os empresários locais, que vêem potenciadas as suas vendas, num período do ano em que o concelho acolhe os emigrantes.
Mais do que um evento de moda, o ModaLanhoso é um projecto criador de dinâmicas socioeconómicas e culturais, pois integra vários atores locais na produção de um espectáculo fruído por um vasto público que cresce a cada edição.

PS

Lídia Vale bate com a porta

O distanciamento de Lídia Vale, vereadora do PS na Câmara Municipal, já há muito que era comentado na praça pública. A esse distanciamento veio a ausência nas reuniões da Câmara Municipal. Foram várias as vezes em que Lídia Vale esteve ausente, sendo substituída, na maioria das ocasiões, ou por Célia Gonçalves ou por José Alexandre Vale da Silva.
A esse distanciamento junta-se agora o corte de ligações ao PS, com Lídia Vale a desfiliar-se do partido do qual foi presidente da Comissão Política da concelhia da Póvoa de Lanhoso durante 2 anos. A 23 de Julho deste ano fecha-se um ciclo iniciado em 2000, ano em que a ex-presidente da concelhia do PS filiou-se no partido.
Lídia Vale e Frederico Castro parecem estar de costas voltadas. Lídia Vale não se pronuncia sobre o assunto. Há quem afirme que a vereadora do PS, agora independente, tinha ido trabalhar para Braga e que não estava disponível para o PS concelhia. Amigos próximos de Lídia Vale afirmam que tal não é verdade.
Quem não estava a par da situação, estanhou a ausência do seu nome na candidatura do PS à Câmara Municipal. Há quem diga em surdina que Lídia Vale foi a última a saber que não estava na lista dos escolhidos de Frederico Castro.
Recorde-se que Lídia Vale foi a primeira mulher a presidente à Co-missão Política Concelhia do PS. Depois de 17 anos, abandona o PS.

Intregrado na programa ‘Verão com(n) vida’


Festival da Francesinha 
superou sucesso da I edição

A segunda edição do Festival da Francesinha da Póvoa de Lanhoso superou o sucesso da primeira edição, em 2016. O evento decorreu de 4 a 6 de Agosto, na vila, e integrou o programa ‘Verão com(n) vida’.
“Para além do aumento do número de francesinhas ser-vidas, registou-se também um aumento em termos de público, o que nos deixa muito satisfeitos. Na sexta-feira à noite, dia 4, tivemos uma verdadeira enchente, fruto também da animação que proporcionámos, com o Quim Roscas & Zeca Estacionâncio”, destaca o vereador da Cultura da Câmara Municipal da Pó-voa de Lanhoso, André Rodrigues, sublinhando que a segunda edição do Festival da Francesinha superou as expectativas e os números do ano anterior.  
Esta iniciativa resulta de uma aposta da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, que introduziu esta novidade no programa de animação de Verão em 2016. Ambas as edições foram um sucesso. 
Foram diversos os estabelecimentos, que participaram numa iniciativa que superou largamente as expectativas: Taberna do Xavier, Taberna da Aurora, Cyber Café, Moinhos Café, Cerveja Letra e Cerveja Sagres.
Para além da componente gastronómica, o programa deste Festival englobou ainda vários momentos de animação, com os conhecidos humoristas Quim Roscas & Zeca Estacionâncio, numa noite que registou a primeira enchente; com música, destacando-se os Davimúsica; e com a Festa da Espuma.
O recinto, no Pontido (Rua Maria da Fonte), foi assim o centro de atenções dos povoenses e visitantes no decorrer do festival. Houve ainda animação infantil com a empresa Sabichão Saltitão, fazendo as delícias dos mais novos. O bom tempo ajudou ao sucesso desta edição, convidando a sair de casa. Com esta iniciativa, o Município continua a aposta na promoção enogastronómica dos recursos do concelho, desta feita, numa especialidade que, não sendo ancestral, é hoje icónica na identidade colectiva do norte de Portugal e que encontra, na Póvoa de Lanhoso, verdadeiros chefs na sua prepa-ração.

A 21 de agosto serão conhecidas as listas finais

Política concelhia: 
Listas entregues no tribunal

Terminou, na passada segunda-feira, dia 7 de Agosto, o prazo de  apresentação das candidaturas no Tribunal Judicial. Na Póvoa de Lanhoso, o último dia foi escolhido pelo PSD, PS e pelo Movimento Alternativa Independente para apresentarem as suas candidaturas à Câmara Municipal, Assembleia Municipal e Assembleias de Freguesia. Já a CDU apresentou as suas listas a 4 de Agosto. No dia seguinte ao términus do prazo, as listas ficaram disponíveis para consulta mas apenas a 21 de Agosto serão afixadas as listas definitivas. Até lá, decorre o processo de verificação de irregularidades, suprimento de irregularidades ou substituição de candidatos. A 21 de Agosto, serão conhecidas as decisões das reclamações e as listas finais.
Das listas ‘provisórias’ verificamos que à Câmara Municipal apresentam-se quatro candidatos: Avelino Silva (PSD), Frederico Castro (PS), Lúcio Pinto (MAI) e António Carneiro (CDU), com as listas à Assembleia Municipal a serem lideradas por João Duque (PSD), António Queirós (PS), Rui Rebelo (MAI) e Cecília Macedo (CDU).
Às Assembleias de Freguesia, o PSD apresenta lista em 20 Freguesias e Uniões de Freguesia, apoiando ainda as candidaturas independentes de Ferreiros e Covelas. Já o PS, apresenta lista em 19 Assembleias de Freguesia, apoiando ainda as candidaturas independentes em Serzedelo e na União de Freguesias de Calvos e Frades. O MAI apresenta lista à Assembleia de Freguesia da Póvoa de Lanhoso.
A CDU, apresenta listas a       7 Assembleias de Freguesia – Águas Santas e Moure, S. João de Rei, Covelas, P. Lanhoso, Garfe, Lanhoso, Cal-vos e Frades. Porém, as listas apenas se encontram completas nas candidaturas à Assembleia de Freguesia de Cove-as, Póvoa de Lanhoso e União de Freguesias de Cal-vos e Frades. No caso de S. João de Rei e União de Freguesias de Águas Santas e Moure, nas listas apenas  constam três elementos efectivos. Caso não haja regularização das várias incorrecções, as listas serão excluídas. A admissão das listas, nesta fase, é meramente provisória e a falta de documentos ou a existência de quaisquer irregularidades processuais não determina a rejeição da lista, conforme consta da lei. Se se verificar a existência de irregularidades processuais ou de candidatos inelegíveis, o mandatário da candidatura é notificado para suprir as irregularidades ou sustentar que elas não existem, bem como para substituir os candidatos tidos por inelegíveis ou sustentar que se não verifica qualquer inelegibilidade.

Até 27 de agosto


Theatro Club acolhe Exposição 
Aberta de Artes Plásticas

Até 27 de Agosto, a Galeria do Theatro Club apresenta a XXI Exposição Aberta de Artes Plásticas, numa mostra que integra a programação Verão Com(n) Vida. O vereador da Cultura e Turismo da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, a quem coube entregar os certificados de participação, destacou o nível desta exposição. “Temos quadros com autores de diversos pontos do país, mas a qualidade é algo assinalável e que torna esta exposição bastante atractiva”, referiu André Rodrigues.
Esta exposição, na sua 21ª edição, é já uma referência cultural da Póvoa de Lanhoso. “Fazemos exposições nesta Galeria durante todo o ano. Esta é, por assim dizer, o ponto alto, que é quando reunimos muitos expositores, muitos artistas numa mostra colectiva, dando uma outra vida e uma dimensão ainda maior à galeria do Theatro Club”, salienta o mesmo responsável, lançando o repto: “Convido todas as pessoas que passarem pela Póvoa a visitarem o Theatro Club e a aproveitarem para visitar a exposição aberta”.
Dias Machado, Alfredo Soares, Anabela Rodrigues, António Augusto Nunes de Carvalho, Artur Oliveira Martins, Carlos Teixeira, Mutes, José Augusto Costa Araújo, Diamantino Torres Pereira, Dila Moniz, Germano, Zé Maria, Karla Neves, Helena Romão, Jorge Campos, Maria José Machado de Castro, Miguel Moreira e Silva, Maria da Conceição Fernandes Antunes, Fernanda Aguiar, Milita Marinho, Olga Giraldes, Olga Gonçalves, Paulo Gonçalves (Fonseca), Pedro Migueis, Roberta Veloso, Rosa Vaz, Sabina Figueiredo, Sandra Matos, Santiago Belacqua e Susana Ribeiro são os artistas presentes na exposição. Grande parte dos trabalhos expostos é para venda, mas outros pertencem a colecções privadas.

Garfe


Centro Social: 20 anos 
ao serviço da população

Os 20 anos do Centro Social de Garfe, a 4 de Agosto, foram assinalados com a apresentação de um livro que dá a co-nhecer um pouco do que fo-ram estes vinte anos ao ser- viço da população de Garfe, em especial dos idosos e das crianças. A obra tem como autores José Abílio Coelho, padre Luís Peixoto Fernandes, Liliana Vieira e Antonie-ta Fernandes e é enriquecida com depoimentos de colaboradoras da instituição.
Estes 20 anos de existência ficam também marcados pela atribuição da Medalha de Honra da Freguesia de Garfe. Os altos serviços prestados à comunidade garfense são assim reconhecidos pela Junta de Freguesia, agraciando aquela que é a instituição de cariz social mais relevante da freguesia.
“Pela sua importância e envolvimento humanitário, esta é hoje também uma das entidades empregadoras mais significativa e numerosa da nossa terra, com a relevância que isso encerra, na dinâmica que gira e na fixação da população jovem na nossa terra”, leu Paulo Ferreira, presidente da Junta de Garfe, referindo-se a parte da fundamentação apresentada  à reunião da Assembleia de Freguesia de Garfe, em Junho.
Na sessão solene, o padre Luís Peixoto Fernandes, presidente da direcção do Centro Social de Garfe, recordou que três pessoas: Ferro Rodrigues, que presidiu à inauguração, há 20 anos; D. Jorge Ortiga, arcebispo primaz de Braga; e Manuela Guimarães Fernandes, natural de Garfe e com residência no Algarve, onde recebe, durante uma semana, as crianças da freguesia.
“À época, dar vida a um projecto como este era um sonho mas também uma ousadia. Partíamos com uma vontade sobre-humana de dotar Garfe de um serviço em que tudo era novo, tudo era para nós desconhecido, era dar forma a uma estrutura cujo segredos ainda não do-minávamos mas, acima desses receios, colocou-se a vontade de podermos ter na nossa paróquia e freguesia, uma serviço destinado a favorecer e apoiar as nossas crianças e nossos idosos”, explicou o padre Luís Fernandes.
Nas cerimónias, a Segurança Social fez-se representar por José Sá, do Núcleo de Resposta Social. A Câmara da Póvoa de Lanhoso esteve representada pelo presidente Manuel Baptista e pelo vereador da Cultura e Turismo, André Rodrigues.

com propostas para todos os gostos

Semana da Juventude  
foi um verdadeiro sucesso

Integrada na programa- ção Verão Com(n) Vida na Póvoa de Lanhoso, a Semana da Juventude arrancou no dia 4 de Agosto, com as actuações de Virgul e Funk You 2, no âmbito da Noite da Juventude.
“A abertura da Semana da Juventude com a Noite da Juventude foi um sucesso. Tivemos muita gente, o espectáculo foi do agrado das pessoas e foi muito concorrido. Fechamos a programação, no Sábado, dia 12, com uma prova muito interessante, uma prova mais ou menos tradicional, os carrinhos de rolamentos e trikes. O que se pretende é recuperar tradições, num trabalho colaborativo entre as associações juvenis e com o Espaço Jovem”, explicou a vereadora da Juventude da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Gabriela Fonseca.
No dia 5 de Agosto, assistiu-se ao regresso da iniciativa Jogos Sem Barreiras, no Parque do Pontido, iniciativa que contou com a colaboração de associações juvenis e do projecto Geração Lanhoso, promovido pela Câmara Municipal e pela Sol do Ave. A equipa de Garfe sagrou-se vencedora. “Na altura dos Jogos Sem Fronteiras, realizava-se com muito sucesso aqui na Póvoa de Lanhoso os Jogos Sem Barreiras. Esta ideia de retomar estes jogos surgiu, partindo de um eixo do CLDS, o da ‘capacitação das associações juvenis’ daí também a colaboração com as associações juvenis da Póvoa de Lanhoso. Esta iniciativa vale por reavivar esses jogos e por pôr as pessoas a conviver”, considerou a Vereadora da Juventude, Gabriela Fonseca.
De entre outras propostas, a Semana da Juventude contou com mais uma edição de Miss/Mister Verão 2017, uma mega aula de zumba, Torneio de FIFA, uma acção de sensibilização para o Cyber Bullying,  Torneio de Matraquilhos, Torneio de Ping Pong, Torneio de WRC, e a realização de uma Operação Stop em colaboração com a GNR da Póvoa de Lanhoso.

Noite Gerações


Kura e Diogo Piçarra 
são os nomes grandes

A noite mais aguardada do ano está à porta: a 1 de Setembro todos os caminhos levam até Porto d’ Ave, em Taíde, para mais uma edição da ‘Noite Gerações’. A nomes como Diogo Piçarra e Kura, junta-se Meninos do Rio, Ruy & Cirilo, Ruy Vercetti e ‘The End’. Tudo isto a partir das 23 horas. Mas, a festa não é só feita à noite. Tal como o ano passado, uma sunset, com diversos palcos e diversos estilos, promete aquecer a plateia para uma noite inesquecível.
A partir das 15 horas, as propostas passam por Billy Lobster (palco rock), Reais de 90 e Fuse DLM (Palco Urbano) e Paulo Coelho & Luigi (palco electrónico). Fernando Daniel, no palco Somersby, é a proposta do NG a partir das 19 horas. Todos os espectáculos têm entrada livre. Atrair pessoas de várias faixas etárias e vários estilos musicais é o que se propõem os responsáveis da ‘Noite Gerações’, convidando toda a comunidade, e numa ocasião em que se vive a Romaria de Nossa Senhora do Porto d’Ave, a conhecer as sua cultura e tradição, saboreando os tradicionais bifes à Romaria e o delicioso melão, visitando, também, o importante património que integra a Real Confraria de Nossa Senhora do Porto d’Ave. 
Pela ‘Noite Gerações’, que este ano completa 9 anos, passaram, no ano transacto, entre 12 a 15 mil pessoas, que levam bem longe o nome da freguesia e do concelho da Póvoa de Lanhoso. De ano para ano, a qualidade e o número de público tem vindo a crescer, surpreendendo todos aqueles que estão ligados à organização. Tudo começou com uma festa preparada por amigos, algo muito amador, que se transformou naquele que é o ‘evento do ano’.
Fernando Alvim, Mastiksoul, Pete Tha Zouk, Pedro Casanova, Agir, Miguel Araújo e João Paulo Rodrigues foram alguns dos nomes que já passaram pela ‘Noite Gerações (NG)’.
Cerca de 20 elementos, todos eles voluntários, integram a organização da NG, num verdadeiro ‘amor à camisola’ e à Romaria de Nossa Senhora do Porto d’Ave. 
“Queremos que o património e as nossas tradições sejam conhecidas. Queremos levá-los cada vez mais longe e a cada vez mais pessoas. Queremos que venham à NG e que voltem para visitar a freguesia e todo o património da Confraria. Queremos, através da música, levar lon-ge o nome da Romaria, de Porto d’Ave e de Taíde”, re-fere um dos elementos da organização.
“Há quem marque férias por ocasião da Noite Gerações, emigrantes e pessoas de fora do concelho, para poderem estar presentes”, adianta ainda. 

Entregou seis mil garrafas de água


Prozis solidária com Bombeiros

A solidariedade é uma marca do trabalho desenvolvido pela Prozis no concelho da Póvoa de Lanhoso. No dia 3 de Agosto, aquela que é líder europeu em suplementação desportiva e alimentação funcional entregou 6 mil garrafas de água aos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso, numa cerimónia acompanhada pela Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso.
Na cerimónia, que decorreu junto ao quartel, os Bombeiros da Póvoa de Lanhoso estiveram representados pelo presidente da direcção, padre Luís Peixoto Fernandes, e pelo comandante do corpo activo, António Veloso. Ao presidente de Câmara Municipal, Manuel Baptista, juntou-se também o vereador da Protecção Civil, André Rodrigues.
A água entregue foi recolhida durante um sorteio interno da empresa, dirigido aos seus colaboradores.
A componente social é, pois, uma parte integrante da empresa, como explicou Sérgio Faria, responsável da Prozis. As iniciativas de carácter social têm sido desenvolvidas ao longo destes anos com as mais diversas instituições. Neste ano, a ajuda recaiu na Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso. Mas, esta não é a única colaboração da Prozis, uma vez que irá apadrinhar, juntamente com a Câmara Municipal, a aquisição de uma ambulância de transporte de doentes para aquela corporação, que será benzida no aniversário da corporação, a 5 de Setembro.
A existência de uma camisola autografada pelos jogadores de um clube da primeira divisão serviu de mote ao sorteio, com a mesma a premiar a pessoa que oferecesse o maior número de garrafas de água. Mesmo as pessoas que não venceram ofere-ceram a sua contribuição, como deu conta Sérgio Faria.
“A componente social é importante para a Prozis. Nos locais onde está, gosta de estar em perfeita sintonia com pessoas e entidades”, referiu ainda aquele responsável.

ESPECIAL FREGUESIAS


EDITORIAL

Do ouro ao orgulho

RUI MIGUEL GRAÇA
APóvoa de Lanhoso deu mais importante passo para a afirmação da filigrana como um elemento identitário, símbolo concelhio e, ao mesmo tempo, forma de homenagear homens e mulheres que, ao longo de várias gerações, trabalham os finíssimos fios que dão corpo a verdadeiras peças de arte. Falo naturalmente da abertura da Sala de Interpretação da Filigrana (SIF), que está agora instalada na Casa da Botica, num momento que serviu igualmente para lançar a Rede de Monumentos e Sítios.
Naturalmente que, para a Póvoa de Lanhoso, era imperioso a existência deste tipo de espaço museológico, uma vez que não fazia sentido lan-çar-se na etapa da certificação, sem possuir um local onde os visitantes possam perceber todo este universo. Desde o labor das pessoas, às próprias peças que podem ser vistas e admiradas por quem se deslocar à Casa da Botica.
Recorde-se que o município da Póvoa de Lanhoso, com a colaboração do município de Gondomar, está a dar passos decisivos para a certificação da filigrana, algo que pode ainda potenciar o concelho em outros pontos do globo.
Noutro âmbito, destaque para o encerramento das comemorações do centenário de António Celestino, com a inauguração de um mural de homenagem ao escritor em S. João de Rei. Obviamente que ganha ainda mais relevo quando este monumento fica na sua terra natal, próxima até da sua habitação, a conhecida Casa do Ribeiro. António Celestino é, sem sombra de dúvidas, também um dos orgulhos da Póvoa de Lanhoso e, merece amplamente que a sua memória perdure no tempo.
Por último, é verdade que faltou o ouro ao Grupo Desportivo Porto d’Ave, naquela que poderia ter sido uma conquista histórica para o clube axadrezado do concelho. Todavia a história não se faz apenas de vencedores, já que o grupo de trabalho, bem como todos aqueles que se deslocaram ao Estádio Cidade de Barcelos, para apoiar a equipa, deram uma verdadeira lição de entrega, empenho, abnegação e fair-play. É certo que a magnífica campanha não foi coroada com a Taça Associação de Futebol de Braga, contudo e, depois de ter regressado ao escalão máximo, jamais se imaginaria que o  Porto d’Ave seria capaz de fazer um campeonato de grande nível e pudesse chegar à final. Não foi este ano, ficou a experiência da participação e de deixar as suas gentes sonhar. Contudo a ambição deve manter-se, no sentido de regressar ao grande palco e, quem sabe, já na próxima temporada conseguir o que nesta escapou por pouco.